Polícia prende homem que matou empresário por engano em Cuiabá

213 0

Operação da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) no bairro Jardim Buriti, em Cuiabá, prendeu, na tarde desta terça-feira (10), Igor Espinosa, acusado de assassinar a tiros o empresário Toni da Silva Flor, 38 anos. Homicídio aconteceu no dia 11 de agosto de 2020, numa academia de musculação do bairro Jardim Santa Marta, em Cuiabá.

A Senhora Leonice da Silva Flor, 68 anos, mão de Toni, foi à DHPP na companhia da filhas acompanhar a prisão do assassino e se mostrou muito emocionada.

“Só desejo que pague tudo o que ela fez, meu filho não merecia isso, foi muito sofrimento, deixou três filhos pequenininhos. Minhas netas ainda sofrem muito. Trouxeram da escola presentinho para o papai e perguntaram para quem iam entregar agora. A mais nova foi na minha casa, se ajoelhou e pediu para o papai voltar para entregar o presentinho dele”, afirmou.

O empresário teria sido executado ‘por engano’, já que as investigações apontam que Toni foi confundido com um policial federal, verdadeiro alvo do atirador.

A prisão do assassino acontece exatamente no ‘aniversário’ de um ano do homicídio.

O caso

Testemunhas apontaram que por volta das 7h quando chegaram à academia, o motoqueiro ‘assassino’ já estava lá, sentando, sem capacete.

Os dois primeiros alunos chegaram a cumprimentar o homem. Quando Toni chegou, por volta das 7h15, o motoqueiro se aproximou e perguntou se ele era o policial federal Michel, porém, antes que respondesse, o bandido descarregou a arma na vítima.

Toni ainda conseguiu correr para o interior da academia e pedir socorro.

Consciente, foi levado pelo professor ao Hospital Municipal de Cuiabá (HMC), onde passou por uma cirurgia ainda na manhã de terça-feira (10) e seu estado de saúde era considerado estável.

Entretanto, teve complicações no quadro clínico e teve a morte constatada na madrugada do dia 13.

Confundido por causa do carro

A confusão teria ocorrido porque Toni e o policial federal possuíam o mesmo tipo de carro e da mesma cor. Mas, no dia dos fatos, o policial Rodoviário Federal M.L.M., não foi treinar, pois, segundo os amigos, ele estava muito abatido porque emprestou o carro para o amigo Richard Jammes Totimura, que é cantor e mais conhecido como Rick Jammes, que morreu num acidente de trânsito.

Rick foi com mais seis pessoas para Chapada dos Guimarães na manhã de domingo no carro do policial, quando sofreram o acidente fatal.

Imagem: Reprodução

Post Relacionado