Após confusão em cartório, Polícia Civil consegue recuperar R$ 10 mil de vítima de golpe em venda de veículo online

60 0

A Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Informáticos (DRCI) conseguiu recuperar  aproximadamente R$ 10 mil subtraídos de uma vítima de estelionato, após ser acionada pela Delegacia de Pontes e Lacerda (448 km a oeste de Cuiabá), na segunda-feira. Tudo começou com um  desentendimento entre duas pessoas, ocorrendo em frente ao Cartório do 2º Ofício, na cidade.

Na ocasião, uma das partes envolvidas no caso informou que há cerca de quatro dias, postou em sua conta pessoal da rede social “Facebook”, a venda de um veículo modelo Fiat Pálio pelo valor de R$ 18 mil.

Em seguida um homem entrou em contato com a mesma pelo aplicativo de celular WhatsApp, interessado na compra do carro. Após a negociação, foi acordado o valor de R$ 17 mil, sendo que o suspeito fez uma transferência falsa por meio de PIX do valor combinado na conta da vítima, e mandou um suposto comprovante pelo WhatsApp.

Na segunda-feira (20), o golpista entrou em contato com a mulher afirmando que revenderia o carro para uma terceira pessoa (vítima), bem como não era para ela revelar o valor que havia vendido seu Fiat Palio.

Diante do combinado, a mulher foi até o cartório para fazer a transferência do automóvel, momento que em o terceiro comprador (vítima) compareceu dizendo que estava adquirindo o carro e perguntou se podia fazer a transferência para o vendedor (golpista).

Então a mulher confirmou que poderia realizar, e assim o terceiro comprador efetuou a transferência bancária via PIX no valor de R$ 12 mil, para a conta-corrente informada pelo criminoso.

No entanto, somente depois do referido pagamento a vítima (terceiro comprador) e a mulher, perceberam que haviam caído em um golpe de estelionato. Razão pela qual iniciou a discussão em frente ao cartório.

Assim que recebeu a comunicação dos fatos, a Polícia Civil de Pontes e Lacerda solicitou apoio à DRCI, a qual passou a investigar a ocorrência e conseguiu efetuar o bloqueio do valor de aproximadamente R$ 10,3 subtraídos da vítima.

As investigações seguem em andamento para identificar o autor do crime.

Fonte: Olhar Direto

Post Relacionado