Max Russi considera “bom” e “puxado” ano em que assumiu Presidência da AL e Governo de MT

52 0

O ano de 2021 foi considerado bastante “puxado” pelo presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL/MT), Max Russi (PSB), que assumiu a Presidência em fevereiro e em junho tomou posse interinamente do cargo de governador do Estado.

“Foi um ano bom! Um ano de muito trabalho, acho que foi um ano bastante puxado, mas um ano que a Assembleia conseguiu dar contribuições importantes a Mato Grosso, umas das contribuições importantes foi aprovar o RGA aos servidores, aprovamos o projeto da ferrovia, fizemos audiências públicas como do Pantanal, todos deram suas contribuições e devolvemos recursos. Então, teve uma série de ações que eu poderia enumerar várias esse ano, que foram importante”, destacou o presidente.

Como governador por um dia, Max sancionou a lei complementar, de sua própria autoria, que cria a Delegacia Especializada de Roubo de Cargas em Mato Grosso. Russi também destacou outras contribuições da Casa de Leis, entre elas, a aprovação da redução da alíquota do ICMS para setores da economia.

Ele considerou como resposta positiva ao mercado produtiva o pacote de redução apresentada pelo governador Mauro Mendes (DEM), reduziu alíquota do ICMS da energia elétrica (de 25% e 27% para 17% a todos os setores), dos serviços de comunicação, como internet e telefonia (de 25% e 30% para 17%), da gasolina (de 25% para 23%), do diesel (de 17% para 16%), do gás industrial (de 17% para 12%) e do uso do sistema de distribuição da energia solar (de 25% para 17%).

“Foi uma resposta eficaz ao mercado produtivo. O Estado precisa devolver ao cidadão tudo aquilo que ele paga de maneira eficaz, com políticas públicas que atendam aos seus anseios”, avalia Russi.

Max Russi também foi atuante na realização da Conferência Estadual sobre o Estatuto do Pantanal, em parceria com o Tribunal de Justiça, por meio da Escola Superior da Magistratura (Esmagis), e do Senado Federal. A Conferência debateu a formatação de uma lei federal efetiva, para fortalecer a exploração sustentável do Pantanal mato-grossense e sul-mato-matogrossense, por meio da proposta do Projeto de Lei nº 5.482/2020, de autoria do senador Wellington Fagundes (PL).

Na questão do Meio Ambiente, Max participou da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (Cop26), realizada entre outubro e novembro, a comitiva de Mato Grosso teve a oportunidade de potencializar nosso modelo ambiental e assim atrair investimentos para práticas sustentáveis em nossa região.

Ainda, em 2021, Max também disponibilizou emendas parlamentares para aquisição de veículos para secretarias municipais. Ele articulou junto à primeira-dama Virgínia Mendes e a Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc), a distribuição de cestas básicas para famílias em situação de vulnerabilidade, assim como diversas outras ações.

O Ser Família Emergencial teve a participação do parlamentar em sua formação. Atualmente leva renda a mais de 100 mil pessoas, dos 141 municípios de MT, desde e os efeitos negativos, atribuídos às medidas restritivas da pandemia.

Ao todo, Max Russi obteve 25 leis sancionadas, sendo também três leis complementares e uma emenda constitucional. Max conseguiu “emplacar” 42 emendas impositivas que foram pagas e direcionadas a ações de Saúde, Educação, Infraestrutura, Turismo, Agricultura e outros segmentos.

Como destaque, Max destacou a Lei 11.366, que pune financeiramente agressores de mulheres em Mato Grosso. “Quem agride mulher tem que pagar pelos seus atos, não só pelas vias judiciais, mas também financeiras”, defende.

Max foi o principal responsável pelo curso de formação profissional em Técnico em Agente Comunitário de Saúde (TACS) com ênfase em Endemias de Mato Grosso, que formou 1099 profissionais em 10 municípios pólos no Estado. Além disso, tem trabalhado, inclusive junto ao TCE-MT, para a efetivação da classe. Max Russi foi um dos primeiros prefeitos a efetivar ACSs e ACEs em Mato Grosso.

Fonte: Vgn Notícias

Post Relacionado