Cuiabá já registra sete casos de ‘Flurona’ e 134 com “Síndrome Respiratória Aguda Grave”

48 0

O município de Cuiabá registrou, desde o mês de dezembro, a confirmação de sete casos de coinfecção entre H3N2 e Covid-19, sendo um de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), ou seja, com internação, e seis com síndrome gripal. A pessoa que ficou internada foi uma mulher de 34 anos, em hospital particular, que já recebeu alta.

Segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio da Vigilância de Doenças e Agravos Transmissíveis de Cuiabá, desde dezembro até esta terça-feira (4) foram registrados:

  • 134 casos notificados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) entre residentes em Cuiabá, sendo destes:

  • 44 confirmados, sendo 33 por Influenza A, quatro por Influenza A H3N2, um por Influenza B, cinco por covid-19 e uma coinfecção por Influenza A H3N2 e Covid-19

Em relação aos moradores de outros municípios atendidos em Cuiabá, foram notificados 34 casos, sendo que oito foram confirmados para Influenza A, um para Influenza A H3N2 e dois para Covid-19.

Já nos casos mais leves, de síndrome gripal, dentre os residentes, foram registrados:

  • 118 casos confirmados repassados pelos laboratórios à Vigilância, sendo:

  • 88 por Influenza A, 21 por Influenza A H3N2, um por Influenza A H1N1 e um por vírus sincicial. Também houve seis coinfecções por Influenza A H3N2 e Covid-19 e uma coinfecção por Influenza A H3N2 e rinovírus.

Dentre os moradores de outros municípios atendidos em Cuiabá, houve 19 casos confirmados, sendo 16 por Influenza A, dois por Influenza A H3N2 e um por vírus sincicial. “Vale ressaltar que os casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) são aqueles cujos pacientes chegaram a ser internados, enquanto as síndromes gripais são ambulatoriais”, explica a SMS.

Além disso, somente os casos de SRAG são de notificação obrigatória, conforme protocolo do Ministério da Saúde. “A SMS segue atenta ao cenário e atuando com o Plano de Enfrentamento à Síndrome Respiratória Aguda Grave e à Síndrome Gripal, com atendimento em livre demanda nas unidades básicas de saúde para atender os casos leves e orienta a população que mantenha as medidas de prevenção, como a higienização constante das mãos, uso de máscara, distanciamento social e atualização da caderneta de vacinação”, completa a nota.

Fonte: Olhar Direto

Post Relacionado